Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Marcos Resende Poemas

Marcos Resende Poemas

América

Pintura Mulher 028.jpg

 Índice Poema ◦ Índice Geral


Gosto de me sentar, aqui, à nossa mesa, no América.

Gosto de pensar que você vai chegar. Peço o nosso vinho Aquitânia Cabernet Sauvignon, safra 1999, do Valle Del Maipo, Chile, leve como seu domínio,
com aromas e sabores bem intensos como os de seus lábios,

predominando goiaba e cassis.

Gosto de pedir ao garçom que abra a garrafa para que o vinho respire,
mas que a deixe imersa em gelo — como você me deixou.
Quando ele pensa em me servir, peço:
— Não tenha pressa, meu amor está chegando...

Gosto de pensar que você está atrasada,
presa no trabalho, no trânsito, na chuva;

ao passo que eu, preso na paixão, consulto o relógio e a esperança:
quem sabe ela vai chegar, loura e deslumbrante com seu sorriso de estrela?

Gosto de acreditar que toda mulher bonita que chega,
me traz um pouco de você.
Não imaginava que existissem tantas moças parecidas,
mas, nenhuma com a meiguinha maneira de seqüestrar corações desprevenidos,
nenhuma com deliciosos pés cavalgando sandálias excitantes,
nenhuma com seus atrevidos odores nas solas dos pés, seus olhos de perigo.

Bebo o primeiro gole de vinho e peço aos anjos pela sua saúde,
que os deuses da uva me tragam a voz da minha amada, melodiosa e sexy — jeitinho maroto. 
(Gosto de pensar que você está chegando).

Bebo o segundo gole, e me suponho em Nova Iorque, no hotel, após um dia de trabalho,
— nunca estive tão perto, acabo de falar com você.
O avião me traz de volta à Rua São Bento, gosto de me ver andando pela esquina,

adivinho você imersa no trabalho. Nunca estive tão longe, não vou telefonar.

O garçom, quase impaciente, pergunta se quero mais alguma coisa.
— agradeço-lhe a delicadeza profissional de não perguntar pela ausência da minha amada; peço que feche a mesa.

A garrafa já no fim, coração aquecido pelo vinho,
volto para casa, no computador reinicio a busca:
gosto de pensar que te verei na web, no ICQ, no chat, mas, você não chega.
Deve estar dormindo (penso) e tento te acessar no sono, te navegar na noite.

Na madrugada, acordo. Você não esteve no meu sonho.
— Deve estar atrasada, quem sabe chega no sonho da manhã...
Mas você não vem.

Abro a janela e a esperança. A força da luz aquece o coração.
(Gosto de pensar que hoje é um novo dia.)
Quem sabe, você chega trazida pelo sol.


Março, 2001
 
Índice Poema
 ◦ Índice Geral

Poemas

  •  
  • Pesquisar

     

    Marcos Resende