Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Marcos Resende Poemas

Marcos Resende Poemas

Testamento: Karisme com Biquinho de Choro

Pintura Mulher 003.jpg

Índice Poemas   Índice Geral

Eu vou morrer, Karisme.
Amarre tudo em seu pescoço,
e passe por mim.
Estou passando com as águas e o moinho,
aguente: vou passar.

É uma roda: rode,
não acuda.
Eu sou eu,
aconteci,
teci meu abandono no bojo de teu sangue,
ensanguentei teus plenilúnios,
alucinei teu sono,
mas eu vou, é vela:
revela, vale, eu vôo.

Nasci numa montanha

e foi tudo instinto.
Cobri minha nudez da palha do palmito.
É isso: enrodilhei teu corpo numa cordilheira
e te consumi.

Agora, vem me consolar,
que é hora de consolo.
Vem pousar teu medo:
não vacile.

Eu vou:
tranquilo transe intruso.
Transito: vou.
Eu mato: entenda.
Mate: eu vou.

27 abril 1973

Índice Poemas   Índice Geral

Poemas

  •  
  • Pesquisar

     

    Marcos Resende